domingo, 14 de setembro de 2014

DEUS está no Inferno (God is in hell)!

Trecho do livro “A marca – Dias de Apocalipse”, pequena descrição do Inferno, só para maior compreensão do raciocínio.
Bilhões de espíritos e demônios a enxergavam. Todos olhavam para o céu escuro, poluído por cinzas, enquanto as únicas luzes eram dos raios das densas nuvens negras de chuvas ácidas e dos vulcões em erupções que explodiam larvas a milhares de metros. O Inferno era tão temível que até os anjos choravam perante tanto sofrimento que presenciavam. Era o planeta ao qual até os Deuses ficavam tristes, repletos de remorsos por tal lugar existir e por criaturas, filhos seus, habitarem aquele mundo. Mas era assim que o mal recebia o justo castigo e o remorso atormentava todo um planeta. Gritos agudos e lamentações ecoavam, lágrimas de sangue e dor. Dores sufocantes, torturas implacáveis e castigos infindáveis faziam parte do cotidiano dos habitantes das trevas. Rios de sangue, lagos fervidos, larvas por toda parte, pântanos fétidos, podridão de carne e sangue no ar, feridas abertas e muitos comiam a si mesmos, suas próprias carniças, pois era tudo o que tinham para saciarem a fome. Pessoas banhadas nos rios de larvas e lagos borbulhantes eram queimadas e cozidas neles, querendo apenas saborearem a morte que jamais viria; suplicas em vão. Não havia esperança, consolo, fuga, só desolação. Era uma terra sem Deus, as suplicas e arrependimentos eram em vão! Deus estava morto no Inferno, não existia Deus. Apenas na mente, na alma, mas era um conforto vazio, pois não supria o sofrimento, apenas causava amargura, ira, tristeza e a certeza de que estavam sozinhos em meio ao inferno de suas ações anteriores. Mas Henyel ficaria tranquilo e em paz, ainda blindado a tudo a isso, devido ao amor. Amor que o salvaria do sofrimento de estar no Inferno. Amor que imperava e era suas ações, seu espírito, sua paz e descanso, amor que o salvava. Henyel, espiritualmente não estava no Inferno, ele estava em Elisa. Ela era o seu Céu e ele se concentrava nisso, no seu amor a ela; puramente em si só havia ela. Não havia então como sofrer, o amor por ela o salvava de sentir o Inferno em plenitude. O amor o salvaria, mesmo que sua eternidade seja habitar o Inferno, Elisa o salvou, ele a amava de tal forma que nem o Inferno tinha qualquer impacto sobre ele. Henyel estava em paz consigo e não viveria em dor, apenas em Elisa, apenas viveria a energia do amor que o habitava, seria seu alimento, seu refúgio, eterna morada Divina, apenas o amor.
Quando terminei de escrever o trecho do livro, percebi que Deus está no Inferno, devido a Deus está em nós, ser a essência boa, a luz em nossos espíritos, ser a paz, o amor, a vida em nós após a morte do corpo. Deus está no Inferno com toda certeza. Está lá também. Ao menos eu acredito que no coração mais sombrio, pode não haver humanidade em um ser, mas há algo Divino nele. Assim, Deus está no Inferno e também no Céu, em nós, em todo lugar! Onde há luz, paz e amor há Deus! Onde há morte, fome e dor também. Deus não faz distinção de raça ou localidade, Ele apenas está aqui e em todo lugar. Espero assim que no Inferno também, pois os que estão lá precisam dele. Grande abraço a todos os leitores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário